Jorge Félix

Jorge Félix

Professor da USP e especialista em Economia da Longevidade

Jorge Félix nasceu no Rio de Janeiro em 1967. Mora em São Paulo desde 1991. Jornalista, depois de longa atuação em diversos veículos (Rede Globo, TV Cultura, Jornal do Brasil, IstoÉ, iG, AOL), especializou-se em envelhecimento populacional, seu tema no mestrado em Economia Política e no doutorado em Ciências Sociais pela PUC de São Paulo, onde é pesquisador (CNPq) do Grupo Políticas para o Desenvolvimento Humano. É o criador do Centro de Estudos da Economia da Longevidade, abordada em seu livro Viver Muito, publicado pela Editora LeYa e muito elogiado pela imprensa, economistas e pelos especialistas no tema. Escreveu ainda capítulos nos livros Políticas públicas para um país que envelhece (Ed. Martini), O Brasil sob a nova ordem (Ed. Saraiva) e Economia (Pearson Education), do economista canadense Michael Parkin. Felix aborda o tema do envelhecimento em sua forma multidisciplinar, sem a obsessão de muitos economistas centrados apenas com a questão da previdência. Por isso, atualmente, é um dos nomes mais ouvidos pela imprensa sobre o assunto. Fluente em inglês e francês, está sempre atualizado com as experiências internacionais e a contemporaneidade do tema no mundo, por isso suas palestras são ricas em exemplos ora econômicos, ora comportamentais e, invariavelmente, interessantes e bem-humorados, que, sem dúvida, auxiliam a preparação para uma vida cada vez mais longa. Começou a acompanhar o tema do envelhecimento populacional em 1995 quando cobriu a reforma da Previdência Social no Congresso Nacional pelo JB.

A partir dali, ampliou sua investigação sobre o assunto com uma visão multidisciplinar e decidiu estudar a questão academicamente. Em 2007, iniciou a pesquisa concluída com a dissertação de mestrado Economia da Longevidade – as políticas públicas e o envelhecimento da população brasileira. Apresentou seus artigos e trabalhos em vários estados brasileiros e no exterior, seja em palestras na Universidade de São Paulo, Universidade de Buenos Aires, seja em encontros [Associação Brasileira de Economia da Saúde (Abres), Sociedade de Economia Política (SEP), Sociedade Latino Americana de Economia Política (Sepla)], ou em congressos, seminários e feiras de livro, além de eventos da iniciativa privada.